sexta-feira, 16 de maio de 2014

Equipa internacional já procura alunas raptadas na Nigéria

Equipa internacional já procura alunas raptadas na Nigéria ANA GOMES FERREIRA 10/05/2014 - 11:10 (actualizado às 18:19) Conselho de Segurança da ONU pondera agir contra o Boko Haram. Michelle Obama ocupou o tempo de antena do marido. Já está em campo a equipa multinacional que, na Nigéria, procura as mais de 200 raparigas raptadas pelos islamistas do grupo Boko Haram. Aos especialistas americanos, que chegaram ao país na sexta-feira, juntaram-se agora técnicos franceses. “Todas as instalações das Forças Armadas e da polícia nacional, assim como de outras entidades, estão ao serviço desta busca”, disse, em comunicado, o porta-voz do Ministério nigeriano da Defesa, general Chris Olukolade. “O maior desafio é lidar com informações equívocas que não levam a qualquer pista. Mas não nos irá desencorajar e este esforço conjunto vai continuar”, disse. O porta-voz avançou que, para participar nas operações ao lado das equipas estrangeiras — compostas sobretudo por especialistas em análise de informações e imagens —, foram destacadas duas unidades do Exército que estavam estacionadas na zona onde ocorreram os raptos, no nordeste, junto à fronteira com o Chade. O Reino Unido anunciou também o envio de “conselheiros governamentais” e o Governo da China disse que vai partilhar dados que obteve através de satélites e que poderão permitir detectar as movimentações dos islamistas nos dias dos raptos. “Se for preciso, a equipa será reforçada”, disse à agência AFP uma fonte da presidência francesa que adiantou que os técnicos enviados correspondem ao pedido feito pelo Presidente nigeriano, Goodluck Jonathan, ao chefe de Estado francês, François Hollande, numa conversa telefónica no passado dia 7. A mesma fonte disse que Hollande assegurou que a França reforçará a ajuda que já dá à Nigéria no combate ao terrorismo islamista. O rapto das raparigas por parte do grupo que é contra a educação das mulheres e pretende criar um estado islâmico no nordeste da Nigéria provocou um raro consenso, com os países a condenarem o acto e a exigiram a libertação das alunas. Na sexta-feira à noite, o Conselho de Segurança das Nações Unidas emitiu um comunicado exigindo a libertação imediata do grupo e admitindo vir a tomar medidas contra os islamistas — não especificava de que género. A mensagem dizia que o Conselho tem a “intenção de acompanhar de forma activa a situação das raparigas sequestradas e de considerar medidas apropriadas contra o Boko Haram”. Pelo mundo fora, muitas celebridades aderiram à campanha “Devolvam as nossas raparigas” (Bring back our girls) e, este sábado, Michelle Obama — que já tinha pousado na Casa Branca com um cartaz — leu uma mensagem sobre as alunas nigerianas no espaço que, todas as semanas, o Presidente dos Estados Unidos usa para falar aos americanos. “O que aconteceu na Nigéria não é um incidente isolado. É uma história que vemos todos os dias quando as raparigas em todo o mundo arriscam a vida para perseguir as suas ambições”, disse Michelle Obama. A primeira-dama falou no caso de Malala Yousafzai, a paquistanesa atingida a tiro na cabeça por taliban paquistaneses devido à sua campanha pela educação das mulheres no Paquistão. “A coragem e a esperança assumidas por Malala e pelas raparigas como ela em todo o mundo devem ser um chamamento à acção”. http://www.publico.pt/mundo/noticia/conselho-de-seguranca-da-onu-ameaca-agir-contra-sequestradores-de-raparigas-nigerianas-1635389

BIOGRAFIA DE AGOSTINHO NETO

http://www.agostinhoneto.org/index.php?option=com_content&id=66&lang=en BIOGRAFIA DE AGOSTINHO NETO 1922 - As cinco horas do dia dezassete de Setembro nasce Agostinho Neto em Kaxicane, freguesia de S. José, conselho de Icolo e Bengo, Distrito de Luanda, filho de Agostinho Neto, catequista de Missão americana em Luanda, sendo mais tarde pastor e professor nos Dembos, e de Maria d Silva Neto, professora. 1934 - A dez de Junho obtém o certificado da escola primária, que frequentou em Luanda. 1937 - Os seus pais mudam-se para Luanda, onde Agostinho Neto prossegue os seus estudos secundários no Liceu Salvador Correia. 1944 - Completa o 7º ano dos Liceus, obtido no Liceu Salvador Correia, de Luanda. -Sendo funcionário dos serviços de saúde deixa Angola e embarca para Portugal, a fim de frequentar a Faculdade de Medicina de Coimbra. -Integra-se e participa nas actividades sociais, politicas e culturais da secção de Coimbra da Casa dos Estudantes do Império, com sede em Lisboa, que esteve sob o regime compulsivo de “direcção administrativa” (nomeada pelo Governo) desde 1951 até 1957. 1947 - Surge o grupo que actua sob o lema “vamos Descobrir Angola”, que dá origem ao Movimento dos Jovens Intelectuais de Angola de que Agostinho Neto foi elemento integrante, embora vivendo em Portugal. 1948 - É concedida a Agostinho Neto uma bolsa de estudos pelos Metodistas americanos. - Transfere a sua matrícula para a Faculdade de Medicina de Lisboa, cidade onde passa a residir e onde continua a sua actividade cultural e politica no seio da Casa dos Estudantes do Império. - Funda em Coimbra, com Lúcio Lara e Orlando de Albuquerque a revista Momento, na qual colabora. 1950 - Publicação em Luanda, da revista Mensagem, órgão da Associação dos Naturais de Angola, de que se publicaram 4 números (2 cadernos, sendo o ultimo em 1952, no qual Agostinho Neto colabora). - Preso pela PIDE, em Lisboa, quando recolhia assinaturas para a conferência Mundial da Paz de Estocolmo ficando encarcerado durante três meses. - Em Lisboa, Agostinho neto, de parceria com Amilcar Cabral, Mário de Andrade, Marcelino dos Santos e Francisco José Tenreiro fundam, clandestinamente o Centro de estudos Africanos, que tinham finalidades culturais e políticas orientadas para a afirmação da nacionalidade africana. 1951 - Representante da Juventude das colónias portuguesas junto do MUD - Juvenil (Movimento de unidade democrática - Juvenil) português. - Novamente preso pela PIDE, em Lisboa, 1951 - As autoridades policiais acabam com o centro de Estudos Africanos, fundado no ano anterior. - Em Lisboa, “com trabalhadores marítimos angolanos funda o Club Marítimo Africano, correia de transmissão entre os patriotas angolanos que se encontravam em Portugal e os que, em Angola, preparavam os Alicerces do movimento de libertação”. 1955 - Preso no mês de Fevereiro e, posteriormente, condenado a dezoito meses de prisão. 1956 - Uma petição internacional circula nos meios intelectuais a pedir a sua libertação que, em França é assinada por nomes altamente prestigiados, como aragon, Simone de Beauvoir, François Mariac, Jean-paul Sartre e o poeta cubano Nicolás Guillén. -Em Setembro realiza-se em paris o 1º congresso de escritores e Artistas Negros, no qual participaram escritores das colónias portuguesas, tais com Marcelino dos Santos, e onde foi lamentada a ausência de Agostinho Neto. - A 10 de Dezembro funda-se o MPLA – Movimento Popular de Libertação de Angola, a partir da fusão de vários movimentos patrióticos, encontrando-se Agostinho neto, nessa data, nas prisões de Lisboa. 1957 - Solto das prisões da PIDE no mês de Julho. 1958 - A 27 de Outubro é licenciado em medicina pela Universidade de Lisboa e no mesmo dia casa com Maria Eugenia Neto. -Toma parte na fundação do Movimento Anticolonialista (MAC). Que congregava patriotas das diversas colónias portuguesas para uma acção revolucionária conjunta nas cinco colónias portuguesas: Angola, Guine, Cabo Verde, Moçambique, S. Tomé e Príncipe. 1959 - A 29 de Março, em Luanda, efectuam-se prisões massivas de nacionalistas proeminentes e assiste-se a uma escalada de terror policial. - Em Julho irrompe novas escaladas de terror, mais prisões massivas e sequentes julgamentos em que são aplicadas penas severas aos militantes do MPLA. - Nasce em Lisboa, o seu primeiro filho, Mário Jorge Neto aos 9/11/58 - A 22 de Dezembro, de 1959 acompanhado da mulher e do filho Mário Jorge, de tenra idade, deixa Lisboa regressando a Luanda, onde abre um consultório médico. - Agostinho neto ocupa a chefia do MPLA, em território angolano. 1960 - Eleito Presidente Honorário do MPLA. - 8 De Junho de 1960 é preso em Luanda. As manifestações de solidariedade diante do seu consultório médico e na sua aldeia são esmagadas pela polícia. Transita para cadeia do Algarve em Portugal, Pouco depois é deportado para o arquipélago de Cabo Verde, ficando instalado na Vila de Ponta do Sol, ilha de Santo Antão; depois transita para Santiago até Outubro de 1962. 1961 - A 4 de Fevereiro é desencadeada a luta armada pelo MPLA, com assalto as cadeias de Luanda, seguindo-se uma forte repressão. - A 5 de Fevereiro realiza-se o funeral dos policias mortos durante os ataques as prisões de Luanda e urdem-se pretextos para um massacre sobre os patriotas angolanos. - Agostinho Neto é preso na cidade da Praia, ilha de Santiago, Cabo verde e é transferido para as prisões do Aljube, em Lisboa, onde deu entrada a 17 de Outubro de 1962. 1961 - Campanha internacional em prol da libertação de Agostinho Neto. A revista Présence Africaine dedica um número especial a Angola e condena severamente as autoridades fascistas portuguesas, expondo o receio pela vida dos prisioneiros, incluindo Agostinho neto, formulando um apelo universal contra os torturadores da PIDE. - The Times publica manifestações de protesto contra a prisão de Agostinho Neto, assinadas por figuras de mais elevada craveira intelectual, como o historiador Basil Davidson; os romancistas – Day Lewis, Doris Lessing, Iris Murdoch, angus Wilson, Alan Silitoe; o poeta Jonh wain; o crítico de teatro inglês Kermeth Tynan; os dramaturgos jonh Osborne e Arnold Wesker. - A propósito da resposta inaceitável por parte das entidades portuguesas à denúncia feita por aqueles intelectuais, estes desencadeiam novo e veemente protesto. - A peguin Books edita o livro Persecution 1961, da autoria de Peter Benenson, denunciado a situação de nove prisioneiros políticos, entre eles Agostinho Neto, através de artigos para a Imprensa e em carta para a embaixada de Portugal, solicitando os cuidados urgentes, para melhorar a situação de saúde de Agostinho Neto, que se temia pudesse tuberculizar. - Fica preso nas prisões do Aljube, em Lisboa, até Março de 1963. - Solto das prisões, em Lisboa, com residência fixa na capital portuguesa. Em Junho de 1963 vade-se de Portugal com sua mulher Maria Eugenia Neto e os filhos, Mário Jorge e Irene Alexandra, chegando a Léopoldville (Kinshasa), onde o MPLA tinha a sua sede Exterior. - Eleito presidente do MPLA durante a Conferência Nacional do Movimento. 1963 - O MPLA instala-se em Brazaville em consequência da sua expulsão do Congo (R. do Zaire) que passou a dar o apoio total a FNLA. - Abertura de uma frente em Cabinda – a Segunda Região politica - Militar. 1966 - Abertura de nova frente no Leste de Angola - a Terceira Região 1968 - Transfere a sua família para Dar-es-Salaam onde continuará até 1975. 1970 - Galardoado com o prémio Lotus, atribuído pela 4ª Conferência dos Escritores afro-asiático. 1974 - A guerra nas colónias, componente determinante, conduz a Revolução dos Capitães, em Portugal, a 25 de Abril. - Apenas em Outubro o novo regime português reconhece o direito das colónias a independência, após que o MPLA assina o cessar-fogo. 1975 - Em 4 de Fevereiro regressa a Luanda. - Está presente no encontro de Alvor, em Portugal, onde é acordado estabelecer um “governo de transição” que inclui o MPLA, Portugal, FNLA e UNITA. - È recebido pela associação Portuguesa de Escritores, na sua sede em Lisboa, que assim o quis homenagear, sendo presidente José Gomes Ferreira e vice-presidente Manuel Ferreira. Acompanhado de sua mulher, Agostinho Neto agradece as saudações que lhe foram dirigidas por José Gomes Ferreira, e apela para que os escritores portugueses continuem fiéis e interessados no processo revolucionário angolano. - Em Março, a FNLA declara guerra ao MPLA e inicia o massacre da população de Luanda. Agostinho Neto lidera a resistência popular e apela a mobilização geral do povo para se opor à invasão do pais por forças estrangeiras, pelo Norte e pelo Sul, que procuram impedir o MPLA de proclamar a independência. 1975 - A 11 de Novembro é proclamado seu presidente, continuando Comandante-em-Chefe das forças Armadas Populares de Libertação de Angola e Presidente do MPLA. - Membro fundador da União dos Escritores Angolanos, criada em 10 de Dezembro de 1975. - Foi o primeiro Reitor da universidade Agostinho neto. - Presidente da Assembleia Geral da União dos Escritores Angolanos, cargo que desempenhou até a data do seu falecimento. - Reconhecimento da República popular de Angola por mais de uma centena de países. 1976 - O exército invasor Sul-Africano é expulso de Angola a 27 de Março. 1977 - Em 10 de Dezembro cria o MPLA – Partido do Trabalho 1979 - Preside à cerimónia do encerramento da 6ª Conferência dos Escritores Afro – Asiáticos, realizada de 26 de Junho a 3 de Julho, proferindo o discurso de encerramento. - A 10 de Setembro, Agostinho Neto falece em Moscovo. http://www.agostinhoneto.org/index.php?option=com_content&id=66&lang=en

Joseph Alois Schumpeter (1883-1950) Pensamento econômico

.
http://www.pensamentoeconomico.ecn.br/economistas/joseph_schumpeter.html Não existe uma edição standard das obras de Schumpeter, mas seus livros mais importantes podem ser comprados em diferentes edições inglesas e alemãs. Uma relação completa de suas obras e de sua correspondência conhecida (com referências às reedições modernas) está disponível no site organizado por Ulrich Hedtke. Os textos que estão disponíveis on-line e gratuitamente são em pequeno número: . On the concept of social value, Quarterly Journal of Economics, vol. 23: 213-232, 1908-9. . "The theory of the business cycle", "The present state of economics or On systems, schools and methods", "The present state of international commercial policy" (três artigos reunidos referentes às conferências pronunciadas por Schumpeter no Japão, em 1931, e publicados no Keizaigaku-Ronshu e no Kokumin Keizai Zasshi). . Development, um artigo inédito de 1932, descoberto recentemente. . Economic theory and entrepreneurial history, in Change and the entrepreneur: postulates and patterns of entrepreneurial history, Cambridge: Harvard U.P., 1949. (republicado, com uma introdução de Tamás Szmrecsányi, na Revista Brasileira de Inovação, vol 1(2): 201-24, 2002). Em português, há traduções dos seus livros mais importantes, mas algumas foram lançadas há anos e estão esgotadas. É o caso das traduções de História da análise econômica (Fundo de Cultura, 1964) ou dos ensaios reunidos em Teorias econômicas de Marx a Keynes (Zahar, 1970) ou ainda de Capitalismo, socialismo e Democracia (Zahar, 1984). Mas pode-se encontrá-los nas livrarias.Procurar na Livraria Cultura bibliografia sobre Schumpeter Uma lista selecionada de livros e artigos sobre Schumpeter pode ser encontrada no site organizado por Edward Harpham. Para textos recentes e disponíveis na internet é possível fazer uma busca nos artigos sobre Schumpeter no EconPapers (muitos podem ser baixados gratuitamente). Listo abaixo um trabalho de um pesquisador brasileiro que está disponível na internet. Para obtê-lo, basta clicar sobre o ícone: Marcos Fernandes Gonçalves da Silva. A epistemologia da economia teórica em Schumpeter, Revista de Economia Política, vol. 22 (1), 2002. biografias Uma cronologia dos principais acontecimentos da vida de Schumpeter foi preparada por Burkhard C. Schipper. É possível também ler um texto de James Tobin (uma introdução ao livro de Eduard Marz) que reúne lembranças do período em que conviveu com Schumpeter. Uma das melhores biografias de Schumpeter foi escrita por Richard Swedberg. O livro pode ser adquirido na Amazon: Procurar na Amazon.com Richard Swedberg. Schumpeter: a biography. Princeton U. P., 1991.

quinta-feira, 1 de maio de 2014

Página oficial da Universidade Lusíada de ANGOLA

Caros amigos é com muito agrado que tenho o prazer de informar que já existe uma página oficial da universidade Lusíada de ANGOLA. A baixo seguem mais informações sobre a referida página, bem aja a todos que tornaram este sonho realidade. http://www.angolaformativa.com/pt/centros/universidade-lusiada/ Sigla: ULA Regime: Privada Região: Luanda Páginas Web: http://universidadelusiadadeluanda.blogspot.pt/ Universidade Lusíada de Angola, funciona em Luanda, Cabinda e Benguela(Lobito) e vai, neste ano lectivo, estender as suas acções, na dimensão de Institutos Superiores Politécnicos, às províncias do Huambo e da Lunda-Sul, oferece nove licenciaturas: Arquitectura, Direito, Contabilidade, Gestão de Empresas, Gestão de Recursos Humanos e Economia. Esta Instituição tem contribuído muito para o desenvolvimento e reconstrução de Angola, formando quadros, e fornecendo possibilidades a outros também de se formarem, só neste ano a Universidade Lusíada de Angola disponibilizou, um universo de 1.780 lugares, mais 126 que no ano passado. Existem 33 docentes efectivos e 11 docentes bolseiros de mestrado em regime de exclusividade, nos termos de bolsa de mestrado concedida pela administração da ULA . O intercâmbio de professores e alunos entre os dois países é frequente e são concedidas, aos melhores assistentes universitários da Lusíada de Angola, bolsas para frequentarem os cursos de mestrado e doutoramento ainda não existentes na Universidade Lusíada angolana. Para o corrente ano de 2013, afirmou o reitor da ULA(Mário Pinto de Andrade) ser desafio da Universidade lançar bases para o desenvolvimento de acções de colaboração com outras congéneres do ensino superior públicas e privadas nacionais e estrangeiras, com a sociedade civil e o mundo empresarial. Com 13 anos de existência, a Universidade Lusíada de Angola cresceu não só em discentes mas também em áreas de actividade a Universidade Lusíada conta com nove cursos, entre os quais Arquitectura, Direito, Relações Internacionais, Gestão de Recursos Humanos, Economia, Gestão de Empresas, Contabilidade, informática e Psicologia. Possui mais de 80 salas de aulas e um anfiteatro, vários laboratórios de Informática e salas específicas para transmissão de conhecimentos sobre a arquitectura . A Universidade Lusíada de Angola, possui uma clínica de testes para aulas de psicologia.