terça-feira, 26 de maio de 2009

Conselho de Segurança da ONU condena teste nuclear da Coreia do Norte

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2009/05/090525_cs_coreiadonorte_cq.shtml

Conselho de Segurança da ONU condena teste nuclear da Coreia do Norte

Foto divulgada em 22 de maio pela agência estatal da Coreia do Norte mostra o líder norte-coreano Kim Jong-il (AP/KCNA)

Segundo analistas, atuação na Coreia do Norte é imprevisível

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) condenou, de modo unânime, o teste nuclear feito pelo governo da Coreia do Norte na manhã desta segunda-feira.

Após uma reunião de emergência na noite desta segunda-feira, os membros do Conselho afirmaram que o teste é "uma clara violação" das resoluções de 2006 do CS, que proíbem a Coreia do Norte de desenvolver atividades nucleares.

China e Rússia, tradicionais aliados da Coreia do Norte no CS, se juntaram aos outros membros do órgão na condenação.

O representante da Rússia, Vitaly Churkin, que ocupa a Presidência rotativa do órgão, afirmou que os membros do Conselho concordaram em começar a trabalhar imediatamente em uma nova resolução sobre a Coreia do Norte.

"Os membros do Conselho de Segurança anunciaram sua forte oposição e condenação ao teste nuclear conduzido pela República Popular Democrática da Coreia no dia 25 de maio de 2009. (O teste) é uma clara violação da resolução 1.718 (do CS)", afirmou Churkin após a reunião de emergência em Nova York.

"Os membros do Conselho de Segurança decidiram começar a trabalhar imediatamente em uma resolução sobre este assunto", completou.

"Medidas vigorosas"

A embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, Susan Rice, afirmou que seu país quer que sejam tomadas "medidas vigorosas" contra a Coreia do Norte.

Ela ainda afirmou esperar que o Conselho de Segurança comece a trabalhar em uma nova resolução nesta terça-feira.

"Os Estados Unidos consideram o teste uma grave violação da legislação internacional e uma ameaça à paz e segurança regional e internacional", disse Rice, após as declarações de Churkin.

"Os EUA buscarão uma resolução forte com medidas vigorosas", completou Rice.

Leia também na BBC Brasil: China, Rússia e EUA condenam teste nuclear norte-coreano

Tarefa difícil

O embaixador da Grã-Bretanha na ONU, John Sawers, afirmou que o Conselho decidiu agir em dois estágios.

O primeiro consiste na divulgação de um comunicado "condenando vigorosamente o fato de a Coreia do Norte ter empreendido seu segundo teste nuclear".

"Também decidimos começar a trabalhar imediatamente em uma resolução do Conselho de Segurança para garantir a paz e a segurança na região", afirmou Sawers.

Segundo o analista da BBC David Loyn, a comunidade internacional terá uma tarefa difícil ao confrontar o regime imprevisível da Coreia do Norte.

A Coreia do Norte teve sua pior colheita da década e a ONU acredita que um quarto da população precise de ajuda alimentícia.

Loyn afirma que o governo norte-coreano suspendeu abruptamente as negociações sobre ajuda e, para desviar a atenção, iniciou testes de mísseis de longa distância e o teste subterrâneo desta segunda-feira.

Ele sugere que a mudança de atitude reflita uma disputa interna de poder, com partidários da ala mais linha-dura procurando formas de provocação internacional para justificar a repressão interna.

Potência

Na manhã desta segunda-feira, um comunicado oficial do governo norte-coreano afirmou que um teste nuclear subterrâneo "foi conduzido com sucesso, como parte das medidas para aumentar o poder de autodefesa" do país.

A US Geological Survey (instituto de pesquisa geológica dos Estados Unidos) disse que foi detectado um tremor com 4,7 de magnitude às 00h54 GMT (21h54 de domingo, hora de Brasília) a uma profundidade de 10 quilômetros.

A Coreia do Norte não informou onde o teste ocorreu, mas autoridades da Coreia do Sul acreditam que ele tenha ocorrido no nordeste do país, mesmo local onde o país realizou seu primeiro teste nuclear, em outubro de 2006.

Segundo analistas, a explosão desta segunda-feira foi aparentemente muito mais potente do que a do primeiro teste.

Autoridades de defesa da Rússia afirmaram que a explosão teve mais de 20 quilotons, comparável às bombas lançadas pelos EUA nas cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, em 1945.

O ministro da Defesa da Coreia do Sul, Lee Sang-hee, afirmou que a Coreia do Norte também lançou dois mísseis de pequeno alcance nesta segunda-feira.



Sem comentários:

Enviar um comentário