terça-feira, 16 de setembro de 2008

Nigéria: Rebeldes Declaram “Guerra do Petróleo”



Por Filipe Vieira 15/09/2008
O principal grupo militante da região do Delta do Níger, a região rica em petróleo da Nigéria, prometeu uma retaliação massiva perante a ofensiva desencadeada pelo exército governamental contra as suas posições.
Num comunicado tornado público no domingo, o Movimento para a Emancipação do Delta do Níger disse ter já destruído estações de bombagem e oleodutos, tendo declarado o que designaram por uma "guerra do petróleo", na sequência de uma grande batalha travada com as forças de segurança naquela região rica em petróleo.
A agência noticiosa "Reuters" citou um representante da companhia Chevron confirmando que uma plataforma petrolífera no Delta do Níger foi atacada.
O grupo ameaçou também lançar o que designou por um furacão de retaliações contra as companhias petrolíferas, dando-lhes 24 horas para retirarem todo o seu pessoal.
Analistas políticos dizem que os ataques no Delta do Níger se tornaram mais frequentes e intensos porque o governo está a perder o controlo naquela região.
O presidente nigeriano, Umaru Yar´Adua começou a ser pressionado para esmagar a rebelião. Durante o fim de semana, a ofensiva do exército mostra que o governo adoptou uma abordagem mais musculada relativamente aos militantes no Delta do Níger.
Mas, os militantes afirmam que não têm receio em fazer frente aos militares, como diz o comandante rebelde, Tom Polo.
Polo afirma que os rebeldes planeiam aumentar os seus ataques antes do Dia da Independência da Nigéria, que se celebra a 1 de Outubro. Os militantes têm homens suficientes, armas e munições, diz ele, para fazer frente ao exército nigeriano.
Quase duas décadas de rebelião no Delta do Níger evoluiu, nos últimos anos, para uma insurreição armada para o controlo local da riqueza petrolífera daquela região.
Os militantes afirmam que o Delta não recebe uma quota parte justa dos enormes lucros que proporciona ao país.
A tentativa do governo de negociar um acordo com os rebeldes fracassou em Agosto último.
A campanha cada vez mais agressiva dos rebeldes na região reduziu a produção do petróleo nigeriano em mais de 20 por cento.
Cerca de 300 estrangeiros foram feitos reféns no Delta do Níger desde o início do ano de 2006. Quase todos eles foram libertados sem terem sido molestados. Um grupo de 27 trabalhadores raptados na semana passada continua, no entanto, em poder dos rebeldes.

Sem comentários:

Enviar um comentário