segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Obama já tem vice


Joe Biden é vice de Obama


No momento de escolher seu colega de chapa, Obama não optou por Hillary (por temer que esta depois o sufocasse ou porque ela poderia angariar vários de seus eleitores), mas por alguém que reforçasse sua imagem de mudança (mas que não apelasse a outros eleitores), senão por uma personagem de uma área oposta de seu mesmo partido, para contrabalancear à sua figura.

Obama cunhou Biden como seu vice-presidente e não pode ser ofuscado. Ele teve pouco apoio, quando em 1988 e 2008 concorreu pela nominação democrata. Biden é de origem operária e é católico (dois setores onde Obama é debilitado). Biden inicialmente apoiou a invasão ao Iraque e atacou Obama ao dizer que ele não estaria preparado para ser presidente, mas, ao incluí-lo, o afro-americano monta uma ponte e mostra uma visão diferente.

Também pretende repelir as acusações de que é um ‘inexperto’ tendo um vice que foi seis vezes eleito ao senado e por três vezes liderou a comissão de relações exteriores da alta cúpula. Ademais, as eleições nos EUA pode ser decidida por poucos Estados ‘indecisos’ e um deles é Pensilvania, onde Biden tem muita influência.
Depois de escolher Joe Biden para vice-presidente, Barack Obama tem um outro desafio: unir os democratas.
A Convenção do partido começa, hoje, em Denver, no Colorado e deverá permitir ao senador por Illinois acabar com querelas internas e fortalecer a posição frente ao republicano John MCcain.
Aquela que poderá ser a futura primeira dama americana negra chegou, este domingo, a Denver onde cerca de quatro mil delegados vão confirmar até quinta-feira a investidura de Obama.
O discurso está marcado para quinta-feira, perante mais de 75 mil democratas, 45 anos depois do “sonho” de Martin Luther King.
Uma sondagem do Washington Post revela que 70% dos apoiantes de Hillary Clinton deverão votar em Obama, enquanto 20% admitem escolher MCcain.
Hillary Clinton que depois de Obama perdeu para Biden não mostrou ressentimentos. Disse conhecer bem o político de 65 anos a quem atribuiu um papel de destaque na luta pela justiça económica e social e pediu apoio para Barack Obama.
Apoio que muitos norte-americanos estão disposto a dar em troca da retirada das tropas do Iraque.
Cerca de um milhar de pessoas sairam à rua, em Denver, para exigir que o candidato democrata na corrida à Casa Branca mantenha a palavra no que toca à política anti-guerra.

Sem comentários:

Enviar um comentário